segunda-feira, janeiro 24, 2005

'Comentário sem título'.'e sem extensão'

[18:37:13] <herooftheday> epah
[18:37:29] <diana> ola!!**
[18:38:04] <herooftheday> espera, quem és tu?
[18:38:22] <diana> n sabes mesmo??
[18:38:22] <diana> :x
[18:39:29] <diana> sou a tua prima diana :/
[18:39:47] <herooftheday> ah! Então e Castelo Branco?
[18:39:58] <diana> hum???
[18:40:45] <herooftheday> então não és aquela boazona de mamas grandes?
[18:42:16] <diana> nao estou a acreditar k n sabes kem sou..
[18:42:55] <herooftheday> lol
[18:43:21] <herooftheday> só há uma pessoa mais fácil de enganar do que tu
[18:43:40] <diana> ai é? kem?
[18:44:48] <herooftheday> o Pedrão. Passou semanas preocupado quando lhe dissemos que a passagem de ano este ano calhava a uma Sexta-feira 13
[18:45:00] <diana> LOOOL
[18:45:22] <diana> ta bem...mas eu ateh perguntei "n sabes mesmo?"
[18:45:27] <diana> pk pronto.enfim
[18:45:50] <diana> olha..inda nao consegui construir o cubo pela "maneira dificil"
[18:47:18] <herooftheday> pah
[18:47:25] <herooftheday> é por isso q se chama dificil, acho
[18:47:30] <herooftheday> mas n tenho a certeza
[18:47:43] <diana> pois..se calhar é..n sei
[18:50:57] <diana> es mesmo mau
[18:51:13] <diana> gozas cmg e depois vais dizer à sara k eu sou mais facil de enganar.. :/
[18:51:28] <herooftheday> pois és
[18:52:31] <herooftheday> mas isso é bom!
[18:52:41] <diana> ai é?
[18:52:44] <diana> deve ser
[18:52:49] <herooftheday> pah, se calhar não
[18:52:53] <herooftheday> mas tinha de dizer alguma coisa
[18:53:01] <diana> lool
[18:53:09] <herooftheday> ver-te a chorar parte-me o coração
[18:53:27] <herooftheday> mesmo naquela zona em que o ventrículo esquerdo se junta ao direito
[18:53:44] <diana> loool
[18:53:46] <herooftheday> (o q nunca acontece, porque eles estão completamente separados, mas isso n interessa)
[18:53:49] <diana> iss nao e nada bom..
[18:54:48] <diana> tao como ta isso aí em paris?
[18:55:49] <herooftheday> o quê? Aquela cena com a Torre Inclinada?
[18:55:55] <herooftheday> tá fixe
[18:56:00] <diana> sim,sim!
[18:56:04] <herooftheday> se bem q hoje ia caíndo
[18:56:18] <diana> ai! n me digas! pa kual dos lados?
[18:56:33] <herooftheday> o de baixo
[18:56:59] <diana> de certeza?
[18:57:16] <herooftheday> sim, na Terra as coisas costumam cair pra baixo
[18:57:24] <herooftheday> aliás, acho que é por isso que se chama baixo
[18:57:27] <diana> nao sei se é assim..
[18:57:49] <diana> eu n teria toda a certeza
[18:58:03] <herooftheday> pah
[18:58:08] <herooftheday> sobre isso posso falar eu
[18:58:16] <herooftheday> de incertezas, isto é
[18:58:17] <diana> loool
[18:58:25] <diana> pois...
[18:58:26] <herooftheday> porque eu n sei nada
[18:58:30] <diana> taum e o caso do cao morto??
[18:58:34] <diana> ja leste?
[18:58:34] <herooftheday> aliás, o meu objectivo na vida é ser um perito
[18:58:47] <herooftheday> e perguntas tu: o que é um perito?
[18:58:56] <diana> o que é um perito?
[18:58:57] <herooftheday> e respondo eu: Tu queres saber o que é um perito?
[18:59:25] <diana> n tu n respondes...tu perguntas..isso e uma pergunta
[18:59:37] <herooftheday> desculpa
[18:59:43] <diana> e eu entao respondo : Sim, quero saber o que é um perito"
[18:59:46] <herooftheday> isto é uma resposta em forma de pergunta
[19:00:08] <diana> ah..assim compreendo-te
[19:00:29] <herooftheday> um perito é alguém que sabe rigorosamente tudo sobre rigorosamente nada
[19:00:37] <diana> ah...
[19:00:57] <diana> isso nao dá um conjunto vazio nem nada?
[19:00:59] <herooftheday> n sei se compreendes a extensão desta afirmação
[19:01:17] <herooftheday> é preciso devotar algum tempo à sua compreensão
[19:01:19] <diana> epah..compreendo parcialmente..
[19:01:41] <herooftheday> no início, Deus criou o mundo
[19:02:24] <herooftheday> bom, vou encurtar a história um pouco
[19:03:14] <herooftheday> quando um gajo vai para a escola aprende umas cenas. Não muitas, mas pronto, tu percebes
[19:04:02] <herooftheday> no início, os professores fogem de determinadas questões porque não lhes sabem responder. Assim, o aluno fica relegado a uma visão superficial, mas abrangente de determinado assunto
[19:04:47] <herooftheday> isto prossegue durante variados anos
[19:06:24] <diana> sim
[19:06:59] <herooftheday> até q começas a ter de fazer escolhas quanto ao teu futuro
[19:07:03] <herooftheday> o que queres estudar
[19:07:15] <herooftheday> que pequeno oásis desse deserto que é o conhecimento vais escolher

[19:07:47] <herooftheday> claro que na altura em q tens de fazer essas escolhas, nunca estás minimamente informado sobre elas, e portanto, a questão tem muito a ver com a sorte
[19:08:22] <herooftheday> mas escolhes, porque senão não acontece nada, o que até pode ser bom
[19:08:27] <herooftheday> não sei...
[19:09:19] <herooftheday> a partir desse momento dá-se como que um afunilamento que faz com que aprofundes o teu conhecimento numa determinada área
[19:09:30] <herooftheday> e passes a ignorar cada vez mais as outras
[19:11:08] <herooftheday> desta forma, pegando na teoria dos limites da Matemática, é fácil compreender que à medida que o tempo 't' tende para infinito, o conhecimento 'C' tende também para infinito, ao mesmo tempo que a área sobre a qual ele incide tende para 0

44 comentários:

RedScout disse...

Macacos me mordam se percebi alguma coisa

TRAlves disse...

tinha ajudado se pudéssemos atribuir as falas aos respectivos interlocutores (pelo menos foi em português). É um diálogo bem seco. Gostei da parte da torre de pisa.

Inté.

RedScout disse...

Sim, o meu problema foi mesmo esse. Se se soubessse quem disse o quê, podia ser que ajudasse à compreensão.

P.S. Gostava de conhecer essa prima Diana de Castelo Branco, a boazona de mamas grandes.

Anónimo disse...

epah, eu tentei, mas o Google pensa que 'sinal de menor'herooftheday'sinal de maior' e 'sinal de menor'diana'sinal de maior' são tags de html e no fim do post até fez o favor de acrescentar uma cadeia gigantesca de tags html de fecho, porque achou que o meu html estava desiquilibrado :D
Imaginem uma cadeia enorme de 'sinal de menor'/herooftheday'sinal de maior' e 'sinal de menor'/diana'sinal de maior'. Eu até a reproduzia, mas não consigo!

Pessoalmente, achei que ficava um post andywarholista, muito retro-coiso-e-tal.

Verokas disse...

A sério que gostaria de ter percebido melhor o diálogo...

HeroOfTheDay disse...

Bom, não sei se alguém vai ver isto no estado em que está actualmente. Basicamente crashei os scripts de Python do Google algumas vezes, depois fiz um find&replace engraçado e consegui um efeito ainda mais retro-coiso-e-tal que consiste numa página com uma largura de fazer inveja à do meu.........teclado (que por acaso tem a tecla '.' bloqueada, o que o faz repetir esse caractere de vez em quando).
Portantos, quando vocês chegarem aqui amanhã e isto estiver tudo lindinho, não vão entender nada do que eu estou para aqui a dizer.

Sofia Bento disse...

E eu que quase fiquei em pânico por ter colocado o blog inteirinho em itálico!! :)
Percebemos muito bem o que quer dizer, sr. Day!

Embora tivesse as minhas suspeitas, estava com a esperança de nenhum destes diálogos pertencesse ao sr. Day (pelo conteúdo, assemelhava-se, devo confessar!).
Estou profundamente chocada! Não com o conteúdo, mas com a forma. Pensa uma pessoa que conhece outra e afinal...
De qualquer forma, este post parece-me extremamente educativo. Percebi também que se as minhas conversas de psi fossem avaliadas, eu levava um zero redondinho. Mas daqui já consigo tirar algumas regras e irei esforçar-me. Vejamos:

Regra nº 1 - Escrever "Eh Pá!", que hoje já se escreve como "epá" com "h" no fim (deve ser para poupar o espaço de um carácter, dizem que nestas coisas do psi e das sms temos de poupar espaço)

Adenda: se se sentir uma necessidade terrível e incontrolável de poupar ainda mais espaço, retira-se o "e" inicial. NUNCA o "h".

Regra nº 2 - Guerra aos "e's". As palavras que comecem por "e" ou "es" são truncadas de forma a que estes não apareçam.

Regra nº 3 - Truncar os "que" e os "não", que ficam "q" e "n". Se estivermos realmente preocupados com questões de estilo literário, em vez de "q" devemos escrever "k".

Regra nº 4 - Esquecer alguns (mas só alguns) acentos, principalmente aqueles que colocam dúvidas.

Regra nº 5 - Abreviar palavras e evitar o uso de maiúsculas

Regra nº 6 - Tentar baralhar o outro ao máximo. se não conseguirmos com a forma do discurso, mudamos de táctica e tentamos com o conteúdo do discurso.

Isto parece-me realmente interessante. Vou experimentar. A ver vamos quem será a primeira vít... pessoa a ficar online no meu psi.
:):):):):):):):):)

Sofia Bento disse...

Ooops! Afinal não vou experimentar com a primeira: é um perito!!! Acho que vou aguardar por alguém menos 'conhecedor'.

RedScout disse...

So ainda não percebi qual era a dificuldade de pôr <herooftheday> e <diana>... Nem pareces informático!

HeroOfTheDay disse...

Que parte de "o Google pensa que 'sinal de menor'herooftheday'sinal de maior' e 'sinal de menor'diana'sinal de maior' são tags de html" é que não percebeste? Quem não parece Informático és tu! Quem o diz é quem o é.

HeroOfTheDay disse...

Ah, estás a falar de < e >! Na altura não me lembrei, e isso também já envolvia muito trabalho para um post que se queria que fosse simplesmente copy-paste. E depois o meu teclado não corresponde ao layout e tal. Encontrar os caracteres estranhos ainda demora um bocado...

HeroOfTheDay disse...

Estava a tentar fazer um teste, mas isto não aceita a tag pre...

Lol, o mais engraçado é que o meu teclado nem sequer dá para fazer < e >. Sempre que quero fazer < e > tenho de fazer copy-paste ou ir ao mapa de caracteres :D

RedScout disse...

Desde quando o < é problema para informáticos? Tens sempre o &lt; para quando não quiseres que seja interpretado como tag...

Sofia Bento disse...

Porque ficámos sem contador? Porque não conseguimos aceder à enciclopédia?

RedScout disse...

Acho que ainda não chegamos a altura do TRAlves se esquecer de pagar a conta da net para ficarmos sem wiki.
Quanto ao contador... Grande mestre Z@, que se passa?

RJT disse...

Eu queria dizer alguma coisa. Eu sei que queria. Mas não me sai nada. Pelo menos, algo com sentido (o que, perante este post, se calhar não destoa).

P.S: O Mestre Z@ está com a mania de que anda ocupado. Já não nos liga...

zarroba disse...

O problema do counter é que o servidor deles foi abaixo... é da maneira que equilibra a média dos acessos para que fique um número mais próximo do número de acessos únicos...

TRAlves disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
RJT disse...

Agora já percebi por que razão há bastante menos posts no blog... O menino TRAlves já tem o jabber da menina Sofia...

Já agora, o sábio concelho da Sofia deve ser Coimbra não?

TRAlves disse...

(vou repostar isto... o 'c' está perto do 's'...)

Cheguei um bocadilho tarde a esta conversa, mas desta vez serei eu a dar um puxãozito de orelha à Sra.Sofia.

Então eis que surge esta cavaleira literária em defesa do castelo de Camões e Queirós, contra os invasores neo-linguísticos cibernéticos. Acrescentando à ironia, acusa um colega blossequista de desleixamento na forma como desenrolou a conversa. Até este ponto não haveria qualquel incongruência, já que até aqui a Sra.Sofia tem mostrado um cuidado zeloso na correcção linguística das redacções com as quais nos presenteia.
O que acontece é que a máscara da Sra.Sofia cai por terra logo nas primeiras duas ou três linhas de interacção num instant messenger. Ultimamente tenho falado algumas vezes (ok, muitas vezes) pelo jabber com a Sra.Sofia e posso dizer que ela também é capaz de escrever coisas que colocaria no mesmo saco do "epah".

Mesmo quanto ao conteúdo das conversas fiquei profundamente decepcionado ao descobrir que a Sra.Sofia tem conversas a que chamaria de "normais". Sei que este termo é muito forte, mas há que chamar as coisas pelos seus nomes. Ainda ontem falámos de metereologia! Devo, no entanto, dizer que graças aos seus sábios conselhos vim hoje bem agasalhado, pronto a enfrentar o frio polar que se faz sentir em Portugal continental.

Já agora, não sei porque é que estou sem internet. Se calhar faltou a luz ou o ip ainda não refrescou. Também pode ser pelo facto de eu estar a sacar como uma mula.

RJT disse...

(Desculpa, mas o c e o s estão suficientemente longe para que uma pessoa não se engane. Se fosse o m e o n ainda acreditava)

Sofia Bento disse...

Vem este o sr. TRAlves a terreiro para aferir da minha competência na arte da escrita através de clientes de mensagens instantâneas, acusando-me de criticar algo, que acabo por fazer. Impõe-se por ora uma pequena correção.
Antes de mais, nunca acusei nenhum dos meus colegas de desleixamento na forma como conduzem as suas conversas.
O choque que levei diz respeito ao facto de quando converso com o sr. Day através de um cliente de mensagens instantâneas, a linguagem deste cavalheiro nunca se assemelhar a este tipo de discurso, pelo menos na forma. Por norma, não trunca palavras, não escreve abreviaturas e tem o cuidado de colocar frases completas.
Imaginem o meu espanto quando deparo com a possibilidade de tal cavalheiro poder escrever "n" em vez de "não". Fiquei chocada, pois claro que fiquei chocada.
O sr. TRAlves ainda argumenta com a experiência própria decorrente das conversas que tem comigo através de um cliente de mensagens instantâneas.
Na verdade, para além de referir o estado de choque relativamente à descoberta que fiz, sublinho que há uma série de regras que não uso. Existem duas ou três excepções, como os vocábulos "oki", "oia" ou "thks", que uso já como características do meu discurso, mas fora estes, a escrita que emprego, por norma, não se assemelha em nada a uma profusão de "q", "n" ou "ke" ou ainda "pk".
Se o cavalheiro se dignar ler o meu comentário com atenção verificará ainda que me prontifiquei a experimentar, com cuidado de aprendiza, este novo tipo de escrita, que não poderá ser considerada um erro - nunca lhe chamei tal - mas antes se encontra num patamar semelhante ao dos regionalismos, que não sendo erros concernem a um determinado espaço e a um determinado tempo.
Se subsistirem dúvidas, sr. TRAlves, veja o histórico do seu cliente de mensagens instantâneas e conte os "q", os "n", os "epah" ou os "tas" que dei no total do meu discurso.
E, após este exercício, coloque aqui esse número.

TRAlves disse...

Sra.Sofia, peço desculpa mas não tinha percebido a não-ironia do seu comentário. Devia saber que o título de "Rainha da Ironia" acarreta toda uma responsabilidade para com os seus súbditos (dos quais eu sou o mais humilde e devoto servo).

Ainda por cima neste último comentário assumiu uma atitude que me obriga a largar as cinco pedras que já trazia na mão. Quando diz que só usa "duas ou três excepções" está, no entanto, a admitir a sua culpa neste destratamento linguístico e ...

bah! n adianta continuar... epah, ó Sofia, assim n dá!

RedScout disse...

Ops... Acabei de perceber que cometi uma série de lacunas enquanto conversava hoje no Jabber.
Eu esforço-me por tentar seguir um português mais ou menos correcto, mas normalmente abrevio o n, pq, q, e afins, tal como 'abrevio' o verbo estar para tar.
Peço desculpa por ter utilizado estas abreviaturas mas são a minha maneira normal de escrever em tempo real com outras pessoas. Max holhem k á kem excreba mt piohr...

Sofia Bento disse...

Ora vamos lá ver. O comentário que fiz não pretendia ser uma crítica. Era mais uma observação de algo que considero interessante porquanto se insere no que estou a estudar.
É também uma questão de códigos linguísticos e de descodificação. Lembro-me de quando começou esta profusão de sms, mensagens por telemóvel, receber mensagens repletas de "p", "k", "bj" e outros, em que tive de telefonar à pessoa, por não conseguir perceber a referida mensagem.
Lembro-me também de receber um toque, no telemóvel, de alguém e pensar que a pessoa teria pouco saldo e precisaria falar urgentemente comigo, lembro-me de telefonar de volta, perguntar "o que se passa" e receber uma resposta do tipo "era só para dizer olá". Este tipo de toque (suponho que já tiveram a experiência) faz parte também de uma linguagem nova.
No caso dos clientes de mensagens instantâneas, através da web, também existe uma nova linguagem e mais, é muito interessante verificar que o Homem, sendo um ser social por natureza própria, acaba por arranjar artifícios que minoram o afastamento inerente ao espaço virtual. É o caso dos "smileys". A necessidade de associarmos uma expressão ao rosto do nosso interlocutor ou de darmos a nossa expressão facial à pessoa com quem falamos despoleta esta escrita recheada de "sorrisos".
É muito interessante tudo isto. A existência dos próprios clientes de mensagens vem colmatar a lacuna que, cada vez mais, existe de uma interacção mais próxima entre as pessoas, lacuna essa provocada pelas novas tecnologias.
Agora que já vos dei a "seca" de hoje, desejo-vos um bom dia de trabalho!
(eu sei: 'é preciso ter lata!' ;) )

RJT disse...

Cara Sofia (já não dizia esta há algum tempo, já tinha saudades),

Lacuna essa provocada pelas novas tecnologias? Como?

Sofia Bento disse...

Eu também :)

O queria dizer é que hoje cada vez mais as pessoas não estão juntas fisicamente. Não estou a dizer que isto é bom ou mau. Mas é um facto. Há uns anos atrás se conhecias uma pessoa para 'estares' com ela, terias de estar fisicamente, cara a cara. Hoje 'conheces' pessoas com as quais estás muito pouco tempo, de forma presencial.
No entanto, arranjas formas, códigos que te permitam ultrapassar e resolver esse problema como seja colocares os "sorrisos", por exemplo.
É como se arranjasses novas competências e capaciaddes para te adaptares a um novo ambiente.

RedScout disse...

Eu diria mesmo mais: hoje em dia conheces pessoas que não conheces e que nunca viste na vida e muitas delas nunca irás ver.

HeroOfTheDay disse...

Eu sei que isto vai parecer muito pseudo-intelectualo-filosófico, mas se uma pessoa passa tanto tempo a tentar compreender-se a si própria e não chega a conclusão nenhuma, sendo que nós estamos habitualmente em nossa presença, como podemos aspirar a conhecer alguém verdadeiramente, onde quer que esse alguém esteja?

E oh RedScout, é klaro k á mt xent a xcrever mal, prcpl/ as cyberpitax protexidax cuma feirawol

RedScout disse...

prcpl/ - esta ainda deu um bocadinho de luta a descobrir o significado, mas a / ajudou... ;)

RJT disse...

O que eu não concordo é que isso seja provocado pelas novas tecnologias. Eu sei que há uma certa e determinada pessoa que depois vai usar isto contra mim, mas sinceramente não há instant messaging ou sms simpáticos que cheguem perto de estar a conversar com uma pessoa a olhar para ela.

RJT disse...

O que leva à questão da terceira geração e chamadas com vídeo no telemóvel. Aí está uma coisa que me preocupa.

P.S. Se há coisa que me irrita na net-liguagem é substituir o x por s.

RJT disse...

Aliás, o s por x.

Sim Sofia, eu sei que devia estar a (re)escrever o relatório, mas o cérebro não deixa...

Sofia Bento disse...

A partir do prcpl/ inclusive não percebi absolutamente nada!

Quando falei em conhecer pessoas estava a falar de conhecimento de forma geral, não estava a levantar nenhuma questão relativamente ao conseguirmos conhecer o outro ou não. De qualquer forma, a Verdade e a Objectividade também não existem e tanto os cientistas quanto os jornalistas continuam a tê-las como objectivo. E conseguem lidar com isso perfeitamente. :) Quer dizer, continuam a procurar a verdade e tentam ser objectivos, ainda que saibam que isso não existe.

Não sei se percebi bem o que o sr. RJT disse. Mas claro que "não há instant messaging ou sms simpáticos que cheguem perto de estar a conversar com uma pessoa a olhar para ela.".
E essa necessidade de estar a olhar para a pessoa é tão grande, que mesmo quando falamos com alguém através de máquinas sentimos necessidade de passar essas expressões faciais.

RJT disse...

HeroOfTheDay, cometeste uma imprecisão (que eu aposto que reparaste mas deixaste ir para ver se ninguém mais reparava): usaste para um caso compreender e para o outro conhecer.
Não te consegues compreender, apesar de tentares durante muito tempo (eu acredito). Mas isso não quer dizer que não te conheces. O mesmo para as outras pessoas, podes conhecê-las mas compreendê-las é bastante mais difícil. É a minha opinião.

Sofia, para mim os "sorrisos" servem apenas para dizer em dois caracteres o que precisaria de uma frase para dizer. Se bem que há pessoas que os usam como se não houvesse amanhã... Se calhar é por isso.

RedScout disse...

Principalmente, menina Sofia, principalmente!

Quanto ao resto, vê isto.

HeroOfTheDay disse...

Bom, eu tenho duas primas que são - custa-me dizê-lo porque são engraçadas e simpáticas, mas é escusado negar as evidências - cyberpitax, provavelmente ambas protxidax por uma feirwol.
Uma delas estás com este nick:

*dixitah* ExT TiPuH dJi NiCkX mErExIaM A ApArIxAuM dOx CaXtIgAdOrX dA PaRvOíXe.....MaX IxTuH dÁ aLgUm XeItUh? ***]

TRAlves disse...

Pois... nunca sabemos o que é que o interlocutor quer dizer com as coisas. Esta é a verdade. Nos IMs (instant messengers) este problema agrava-se já que as conversas são mais rápidas (menos tempo para se ponderar o que se lê e escreve) e tenta-se simular uma conversa "real" com um meio que só deixa passar uma finíssima cadeia de caracteres.

O que é um "dois pontos e fechar parêntesis"? Eu já o escrevi com milhões de sentidos diferentes, desde um "pois..." ou "hehe..." até um "vai-te embora! tenho que trabalhar!"

Isto para não falar do efeito aterradoramente intimista que é o da distância física e visual.

Devo dizer que desde que comecei a falar com a Sra.Sofia pelo jabber, a nossa relação estragou-se completamente. Isto pode-se verificar pelo meu último comentário...

Para finalizar, :)

TRAlves disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Sofia Bento disse...

Aquela imagem do sr. RedScout deu cabo de mim...
Estou absolutamente sem palavras, no que concerne a esta matéria.

RedScout disse...

Perdoe-me menina Sofia, não era minha intenção dar cabo de si. E se a menina Sofia pensa que estas coisas são tanga, posso dizer-te que ainda ha pouco tempo foi enviado um mail escrito dessa mesma forma por um aluno universitário para a lista de mercado do DEI.

RJT disse...

Esse nick não me parece de ciberpita. aliás, até me parece que é a gozar com o ciberpitismo...

*dixitah* ExT TiPuH dJi NiCkX mErExIaM A ApArIxAuM dOx CaXtIgAdOrX dA PaRvOíXe.....MaX IxTuH dÁ aLgUm XeItUh? ***]

Tradução: Este tipo de nick merecia a aparição dos catigadores da parvoíce... Mas isto dá algum jeito?

Sofia Bento disse...

Incrível! Depois de vermos a tradução até se assemelha!
Devo dizer que depois desta discussão comecei a tornar-me um tanto ou quanto obcessiva com as palavras. Se anteriormente escrevia algo como "palavra. palavra" no psi, deixava ficar, mas agora não resisto ao trabalho de adicionar um "Palavra".
E depois, ainda me parece muito estranho porquanto ainda não consegui inferir regras. Elas parecem mudar consoante a pessoa que escreve. Assustador!

Anónimo disse...

Perito é um pêro bem pekenito