sexta-feira, dezembro 17, 2004

Projecto de vida, de morte e de reencarnação.

Muitas pessoas acham-se muito organizadas, planeiam a sua vida ao ínfimo promenor e gabam-se disso. Mas quando se pergunta quais são os planos para depois de fazerem isso, já não sabem o que dizer. Este é um problema comum a toda a humanidade:

- Queria uma agenda Condor.
- Com certeza. Para 2005?
- Não. É mesmo para a eternidade, mas até o ano 3005 chega.

A senhora depois disse que não tinha, e orientou-me no sentido da porta da papelaria.

Já eu, em vez de gastar o meu tempo planeando a carreira profissional, tenho-me concentrado em planear a minha morte e a minha pós morte. Vamos então por partes:

Vida
Como muitos de vós sabeis, o meu sonho é ter um urinol em casa. Em termos de vida, o que eu espero obter é basicamente isto. Não preciso de mais nada. É uma fasquia bem adequada ao meu tipo de pessoa, e nem adiantava almejar por algo mais.

Morte
Para a morte, quero dizer ao que ficarem cá que eu não quero ser enterrado (sou um bocado claustrofóbico), nem cremado (a não ser que pusessem uns pimentos para fazer uma espetada mista), nem lançado ao mar (não gosto assim muito de marisco). Eu quero é ser lançado a 3000 metros de altitude. A verdade é que eu sempre quis fazer paraquedismo, mas tinha medo de morrer. Assim, poderia realizar o meu sonho sem me preocupar. Além disso, havia a vantagem de ainda conseguir transtornar de forma significativa um número considerável de pessoas: as que me vissem a cair, a que levasse comigo em cima (It's raining men! Aleluia!) e por fim as que depois tinham que me descolar do asfalto ou do cimento. Ainda por cima, como acredito em vida depois da morte, poderia estar a ver a cena toda confortavelmente sentado numa núvem.

Reencarnação
Eu não acredito em reencarnação. Não me parece haver necessidade de reciclar almas velhas e (que eu saiba) não tive nenhuma vida passada. Em todo o caso, se eu podesse voltar a nascer, eu gostava de ser um cão. Ok, existem cães que têm uma vida... de cão, mas a maior parte dos que eu vejo por aí parecem ter vidas bastante relaxadas. Que inveja eu tenho do fiel animal, quando vejo um a deitar-se ao sol, numa relva fofinha, em que eu sou repreendido só de a pisar.

Pronto. Mais um devaneio... mas este saiu um bocado fraquinho.

6 comentários:

RJT disse...

Acho que os teus planos para a reencarnação precisavam de um bocado mais de planeamento: que marca de cão é que querias ser? Ter dono ou ser vadio? Há um sem número de questões importantes.

RedScout disse...

Vou contar-vos algo que se passou comigo:

Já não me recordo como tudo se passou mas quando dei por mim estava em frente a São Pedro. Ele vira-se para mim e diz:
- Olha, morreste, foste com os cães, passaste desta pra melhor... Mas como até foste um bom rapazinho, vais poder reencarnar. No entanto isto está mal de pessoas, vais ter de reencarnar numa galinha.
- Tudo bem, disse eu, sempre fico a ver o mundo de uma perspectiva diferente...
- Ah, já me esquecia, como os frangos que nascem agora são todos modificados e cheiso de doenças, vais passar directamente para o corpo de uma galinha adulta.
- Tudo bem!
E assim foi, quando dei por mim era uma galinha e estava numa capoeira com algumas 30 galinhas iguais a mim. Entretanto ouvi barulho no exterior... Alguém dizia:
- Vai tirar os ovos às galinhas! As que não tiverem ovos, mata!
Eu ouvi aquilo aflito e pensei... mas então ainda agora reencarnei nesta galinha e vou já morrer outra vez? Tenho de por um ovo, tenho urgentemente de por um ovo. E comecei a fazer força. Entrou uma mulher e começou a tirar os ovos das galinhas... Chegou a uma que não tinha ovo e... zás... matou-a ali mesmo... E eu sem por o ovo, fazia força e mais força para por um ovo. Mais uma sem ovo e... zás... menos uma galinha viva. E eu sem ovo, lá fazia força. Quando a mulher estava para ir ver se eu tinha ovo, eu fazia desesperadamente um último esforço para por o ovo. Nisto, senti alguém a abanar-me e a dizer-me:
- Pedro, acorda que tás a cagar a cama toda!

zarroba disse...

Então pelos vistos tinhas ovo....

RedScout disse...

Ainda sobre a reencarnação. Eu não vou dizer se acredito ou não na reencarnação mas posso dizer-vos que aquilo lá em cima é muito fixe. O tempo que se passa lá entre as diferentes encarnações então é espectacular. Então as companhias que se podem arranjar para dar uns passeios!

Numa desses vezes em que eu lá estava...
Tinha morrido há pouco, andava pelos meus habituais passeios, quando vejo alguém vir a correr para mim:
- Pedro, querido! Amor! Que saudades que eu tinha de ti!
Qual não é o meu espanto quando reparo que era a minha mulher da encarnação anterior, cá em baixo. Verdade seja dita, deve ter sido das piores mulheres que eu tive ao longo das várias encarnações. Ela chegou ao pé de mim abraçou-me e disse:
- Querido! Tava cheia de saudades... Vamos poder ser felizes novamente!
Aí, tive de falar, não podia ficar calado. Virei-me para ela e disse, alto e bom som:
- Baza! Desaparece daqui! O nosso contrato era ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE! Larga-me!

RJT disse...

Acho que o RedScout nos trouxe outro tipo de piada seca: o humor negro seco.

RedScout disse...

Já que falas de humor negro, lembraste-me (mais) um episódio que se passou comigo lá em cima.

Na minha vda anterior, morremos três de uma vez, eu, um amigo meu e um preto. Chegamos lá em cima mas só havia lugar para dois. Então o S. Pedro resolveu fazer umas perguntinhas, até que alguém errasse, e esse seria o que não entrava. Virou-se para o meu amigo:
- Onde caiu a primeira Bomba Atómica?
- Hiroshima!
- Muito bem! Tu, virando-se para mim, quantas pessoas morreram?
Depois de pensar um pouco, respondi:
- 150 mil...
- Muito bem! Agora tu, virando-se para o preto, nome, morada e telefone das vitimas?