terça-feira, março 15, 2005

Citações

Quem disse "O carro nunca substituirá o cavalo"?

Queria aqui homenagiar os Batanetes, que é um programa que eu respeito muito. Eles têm um sentido de timing que não é comum num programa de tão baixa qualidade. Este é um exemplo de uma boa piada seca apresentada nesse programa.

A resposta: Foi a égua.

7 comentários:

TRAlves disse...

Sim, "Os Batanetes" é, sem dúvida, o melhor programa de baixa qualidade na nossa televisão.

RedScout disse...

Têm de facto, piadas bastante secas. Pena é que nalguns casos estraguem as piadas com promenores sem piada nenhuma.

RJLouro disse...

pois, essa é daquelas piadas que é tão basica que nem consigo classificar como piada.. Nunca vi os batanetes, e como voces classificam isso como boa piada, ainda bem que nunca vi.

Ando sim a ver cada vez mais a megera tv, e já apanhei com pérolas como "Este homem tem um sinal na cara" (zoom out e o homem estava com a cara colada a um stop).

Acreditem, pode ser maioritariamente fraco, mas por vezes é impressionantemente bom.

RJT disse...

O meu problema com a megera não é ter que esperar 15 minutos por um bom sketch. É que esses 15 minutos são profundamente irritantes.

Gabriel_MM disse...

Os batanetes são, sem dúvida, uma pérola na televisão portuguesa. Estão como o Correio da Manhã para os jornais diários, a Maria para as revistas ou a Sachs Fuego para as motas. Definem a matriz cultural deste povo. Como tal, são um programa obrigatório, especialmente para antropólogos.
São mais óbvios ainda que os malucos do riso, o que revolucionou o humor em geral. Há uma nova forma de encarar as piadas, depois dos Batanetes. É natural que alguns não gostem... o Charlot e o Keaton tb não recolhiam muitas simpatias, de início. Nem o Paulo Portas... Mas Roma e Leiria não se fizeram num dia (e mesmo assim é uma das maiores cidades da Califórnia!)

RJT disse...

a comparação entre os batanetes e a revista Maria é muito feliz

HeroOfTheDay disse...

Isso fez-me pensar num diálogo entre a comparação avó(A) e a comparação neta(N):

N: Vó, o que é a felicidade?
A: Bem, a felicidade é apenas uma palavra. Na verdade é algo de estranho. Não é discreta e muito menos contínua. São momentos. Não é possível ser-se feliz, mas é possível estar-se feliz.
N: Hmm, dá-me um exemplo.
A: Olha, fui feliz daquela vez em que me usaram entre os Batanetes e a Maria.