quinta-feira, janeiro 19, 2006

O orgasmo dos golfinhos

Eu podia começar este texto com a comparação entre o blog e uma mulher, dizendo que ao início ele nos cativou, nos apaixonámos por ele, que lhe entregámos o nosso coração e ao fim de um tempo ele deu-nos um pontapé no céu da boca. Mas não, não o vou fazer. Isto é, o que está feito não está feito. Confuso? Ainda não?

Segunda tentativa. Eu podia começar este texto com a comparação entre o blog e o barbeiro do filme dos irmãos Coen, para quem não sabe, o personagem com o metabolismo mais lento de sempre da história do cinema. Quiçá, do teatro também, incluindo os figurantes que não se mexem. Podia e posso. E então vou.

Este blog está como o barbeiro do filme dos irmãos Coen. Tá com o metabolismo em baixo. Eu até já estive para fechar as portas disto temporariamente (afinal é Inverno e há algo de muito sazonal na piada seca. Como diria uma velhota que eu vi uma vez no Telejornal a responder à pergunta brilhante do jornalista "Está frio, não está?", não é o tempo delas), mas entretanto ocorreu-me que isto das estações do ano depende do hemisfério em que se está. Ora, o que é que isto significa? Que temos de ir para o Brasil ou para a Austrália inventar piadas secas. Mas enquanto não vamos, eu queria só mandar esta pedra pró charco que há no meio deste blog, o qual, como certamente já terão concluído, está invulgarmente cheio. Agora, não sei como é com vocês, mas quando eu mando uma pedra p'ra um charco, aquilo ao início até é giro e faz arcos e tudo. Mas depois a pedra afunda-se. Aliás, é esta a origem do ditado "Nem tudo o que vem à rede é peixe". O que é que acontece? De haver tanta gente a mandar pedradas no charco........

Vejo-me aqui forçado a interromper o fluir normal do texto para manifestar a minha preocupação relativamente à generalização inerente ao ditado "Para bom entendedor, meia palavra basta". Aliás, cúmulo da presunção, às vezes até se põe só "Para bom entendedor..." ficando um gajo como um cachorro de língua de fora a olhar para o dono cheio de curiosidade relativamente ao que ele vai tirar das costas. E quando ele tira, até somos capazes de exclamar o equivalente a "Wow! Um pau! Como é que ele se lembrou disto? Que dono espectacular! Não acredito que os donos dos outros cães lhes mandem paus!". Então, proponho substituir "Nem tudo o que vem à rede é peixe" por "Nem tudo o que vem à rede é peixe. Podem ser pedras atiradas pelos tipos que mandam pedradas no charco.". Assim percebem os bons e os maus entendedores, porque em vez de meia palavra, damos-lhe uma frase inteira a explicar. E dizem vocês "ah, mas o sentido do ditado não é esse! Há que ler entre as linhas e ver o sentido figurado.". E eu replico que primeiro, numa resolução suficientemente grande, "Nem tudo o que vem à rede é peixe. Podem ser pedras atiradas pelos tipos que mandam pedradas no charco." só ocupa uma linha do monitor e como tal não há nada para ler entre as linhas. Segundo, se o gajo é mau entendedor, hoje o sentido literal, amanhã o figurado. Não queiras o braço todo se eu te dou a mão. E olha, agora que reparo nisso, isto dava pano para mangas. Se calhar mangas curtas, mas mangas ainda assim.

E para terminar este post tipo "laranja do Burkina Faso", que se espreme, espreme e nunca sai nada, isto era para ser sobre algo que não se adivinha olhando para o seu título, e que representa a meu ver um dos grandes dilemas actuais da Humanidade e que é "O que é um pontapé de baliza bem marcado?" (obrigado primo). Mas isso fica para outra altura. Para já, e antes que o Loureiro me venha acusar que isto não é uma piada seca e não tem lugar aqui, eu, mantendo-me na senda dos ditados populares, tenho a dizer o seguinte:

"Mais vale uma molhada na mão do que duas secas a voar"

(para quem fez scroll disto e só leu o título e esta última frase, sim, estamos a falar de piadas, embora possa não parecer. O "innuendo" é todo involuntário, juro a pés juntos. Aliás, é por isso que me estou a dar ao trabalho de escrever esta justificação)

4 comentários:

Master Inutile disse...

Em primeiro lugar vais explicar-me como se dá pontapés no céu da boca... e em segundo lugar: sabias que não chegas-te a falar dos orgasmos dos golfinhos?... ou talvez esses golfinhos tenham orgasmos quando atiras a bela da pedrinha ao charco. Mas afinal porquê ao charco? Não vejo um charco há mais do que muitos anos, que tal algo mais comum como uma poça de água suja nojenta onde os cães saciam a sede em belas tardes de outono? Hem? Aqui fica a minha dissertada! eheeh

Vou-te linkar! Pode ser que ajude a subir-te a moral! Porque piadas secas estão em extinção e eu quero ser uma boa samaritana! Inté! ;)

vans disse...

vem uma pessoa interessada nos orgasmos dos golfinhos e nada...sinceramente...bem,para n falar das mulheres que tens conhecido:pontapes no ceu da boca...muito à frente
curto do teu blog!!!tas em alta!!
um bj
se feliz
vans

HeroOfTheDay disse...

Hmm, outra Mafalda?? Isto é contagioso...

E é bom saber que há pessoal que curte DO nosso blog. Curtir o blog é uma coisa, curtir do blog é outra completamente diferente. Aprendam.

lagrymapreta disse...

Paulinho maninho! Quando li o teu post pensei: Mais um bocadinho e transforma-se num grande escritor (ou não). Bem, pelo menos já consegue ecrever textos sobre nada e um nada confuso...